SELOS E CERTIFICAÇÕES

Certeza de qualidade

UTZ CERTIFIED

Existem diversos selos hoje em dia que atestam à qualidade e à sustentabilidade de cafés e seus produtores. Um exemplo deles é o UTZ Certified. Esse selo surgiu em 1997, visando garantir sustentabilidade e melhores oportunidades para quem produz, para suas famílias e também para o planeta. A proposta do programa permite “Melhores colheitas, mais renda e melhores oportunidades ao preservar o ambiente e proteger os recursos naturais da Terra”

FAIRTRADE

O selo Fair Trade, contribui para o desenvolvimento sustentável ao proporcionar melhores condições de troca e a garantia dos direitos para produtores e trabalhadores. É uma alternativa concreta e viável quando se pensa no sistema tradicional de comércio.

RAINFOREST ALLIANCE

A Rainforest Association é uma rede sem fins lucrativos que visa preservar a biodiversidade e comunidades e assegurar o desenvolvimento sustentável através de rigorosos critérios ambientais e socioeconômicos.

BSCA BRAZIL

A Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA – Brazil Specialty Coffee Association) tem como objetivo congregar produtores de cafés especiais, difundir a produção de cafés especiais brasileiros, estimular o constante aprimoramento técnico e a maior eficiência nos serviços referentes à comercialização destes cafés.

SELO DE PUREZA ABIC

Entre os selos brasileiros, destaca-se o Selo de Pureza ABIC (Associação Brasileira da Indústria do Café), que atesta a pureza do café. São mais de 2 mil amostras coletadas e analisadas por ano com o objetivo, desde o início, do monitoramento contínuo das marcas, a fim de inibir a ação de empresas que adulteram seus produtos. A ABIC também possui o Selo de Qualidade do Café, que cria três categorias de produtos a partir de níveis de qualidade, Tradicional, Superior e Gourmet, com o objetivo de agregar valor e ampliar o consumo a partir da melhoria contínua dos cafés. É o único programa que se tem conhecimento no mundo que avalia a qualidade do café torrado e moído (as demais certificações avaliam o café verde, apenas).

REGIÃO DO CERRADO MINEIRO

Mais especificamente, temos também o selo de Denominação de Origem do Cerrado Mineiro. O café nacional já tem quatro Indicações de Procedência (IP) - concedido em 2.005 ao produto do Cerrado de Minas - mas este novo registro é o primeiro que prova o vínculo do café com o ambiente em que é produzido. De acordo com o INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial), uma indicação geográfica significa que uma determinada região se especializou e tem capacidade de produzir um artigo distinto de similares e de qualidade.

CERTIFICA MINAS

O Certifica Minas Café é o programa de Certificação idealizado pelo Governo de Minas Gerais, executado pelo IMA, Emater-MG e Epamig–MG, todos vinculados à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa).

O Programa tem como principal objetivo a implantação de boas práticas de produção, de modo a aumentar a visibilidade e a competitividade nos mercados nacional e internacional.

4C

O Código Comum da Comunidade Cafeeira nasceu na Alemanha em 2007 com o objetivo de valorizar e dar suporte ao setor. A logomarca “4C” representa o processo de verificação e melhoramento continue na produção cafeeira; envolve todas as cadeias da produção e garante maior sustentabilidade e uniformidade do café desde a fazenda até sua xícara.
Ele é baseado em sustentabilidade e, para isso equilibra, desenvolvimento, meio ambiente e economia.