A ORIGEM DO CAFÉ

O começo de tudo

Brasil

Sim, nós temos Café

O Brasil, maior produtor e exportador mundial de café, e segundo maior consumidor do produto, apresenta, atualmente, um parque cafeeiro estimado em 2,3 milhões de hectares. São cerca de 287 mil produtores que fazem parte de associações e cooperativas, distribuindo-se em 15 Estados. Por causa do seu tamanho, o país possui uma variedade de climas, relevos, altitudes e latitudes que permitem a produção de uma ampla gama de tipos e qualidades de cafés.

A colheita no Brasil vai de junho a outubro, incluindo as fases de colheita dos frutos das árvores, transporte, secagem, limpeza nos terreiros, o beneficiamento (remoção da casca e pergaminho) e a separação por tipos. Produtos com certificação de origem e indicação geográfica também estão começando a se destacar no Brasil. O reconhecimento da fama, tradição e qualidade de produtos com o selo do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) garantem que haja um mercado para esses produtos. O selo certifica que o produto de uma região, atende um padrão e qualidade diferenciados de produção.

Para isso, os agricultores necessitam se enquadrar em diversas normas como as que contemplam adequação para equipamentos e defensivos, normas especificas para cafés especiais, como também normas ambientais de coleta seletiva de lixo, manutenção de áreas de reserva legal, aspectos sociais entre outras normas para obtenção do selo.

Vietnã

Segundo maior produtor mundial

Em 1850 os franceses introduziram a planta do café no Vietnã e sua produção disparou desde então. Eles haviam pensado na espécie Arábica, mas as mudas não se adaptaram muito bem ao terroir do país, portanto, foram logo substituídas por plantações de robusta. Atualmente o Vietnã é o segundo maior produtor mundial de café, com aproximadamente 14% da produção mundial. Fica atrás apenas do Brasil, cuja produção apenas do estado de Minas Gerais é maior que a produção de todo o país do Vietnã.

A produção de café é uma das maiores fontes de renda para crescente economia do Vietnã. De um país com baixos níveis de produção de café, desconhecido por muitos consumidores, ele se transformou durante um período, no maior produtor mundial de café Robusta (Coffea Canephora). A floração geralmente ocorre entre fevereiro e abril, e a colheita é feita entre outubro e março.

Colômbia

Qualidade excelente

A Colômbia é o terceiro maior produtor mundial de café e tem os Estados Unidos, Alemanha, Japão, Holanda e Suécia como principais países importadores. O solo vulcânico é ótima opção fértil para a agricultura e, atualmente, os cafezais ocupam uma área de mais de 1 milhão de hectares. Mais de três quartos da produção de café no país são destinados às exportações.

A altitude de plantio varia entre 800 – 2.000m do nível do mar e tem chuvas bem distribuídas durante o ano. O café é colhido manualmente de forma seletiva, ou seja, somente os frutos maduros vão para a saca. O método de transformar frutos em grãos na Colômbia é o lavado – via úmida. Estes fatores levam à produção de um café excelente, liso, de xícara limpa com a acidez e corpo relativamente elevado, equilibrado, aroma afiado e um perfil sensorial da qualidade excelente, 100% do café plantado é da espécie Arábica.

Indonésia

Geografia privilegiada

O quarto maior produtor cafeeiro da atualidade – a Indonésia – concentra 92% de sua produção nas mãos de pequenos agricultores e cooperativas. O Coffea Canephora (espécie robusta) é cultivado em pequenas explorações agrícolas com media de 1 hectare. Desse modo, o café é de extrema importância na economia e crescimento do país. A maioria de sua produção é focada no café instantâneo e seus principais mercados exportadores são os Estados Unidos, a Europa ocidental e o Japão.

A Indonésia possui uma geografia ideal para o crescimento do café contando com localização (longitude e a latitude) privilegiada e micro-climas que favorecem o bom desenvolvimento das plantas e dos frutos. Vale frisar que sua colheita é manual, feita por derriça (onde todos os frutos são colhidos de uma só vez).

Etiópia

O café é o nosso pão

Registros indicam que a primeira vez que o café foi consumido como alimento foi pela tribo Oromos (Etiópia), que existe até hoje. Eles pegavam os grãos crus, cozinhavam na gordura e faziam uma bola do tamanho da de beisebol que comiam como um tipo de petisco. O café, que é fruto nativo da Etiópia, é assunto muito sério para os etíopes. Beber o café vai além da socialização ou prazer da bebida, trata-se de um ritual bastante respeitado e valorizado.

A planta nasce também espontaneamente, e nas plantações prospera em altitudes elevadas. O cultivo do café reveste uma importância econômica fundamental para a região, mas é principalmente parte integrante da vida social e cultural dos seus habitantes. Como recita um antigo provérbio etíope, “Buna dabo naw”, traduzido “O café é o nosso pão”.